Notícias

SEMED de Maceió lança Orientações Curriculares para a Educação Infantil

26/11/15 13:24 - Notícias

26 de novembro de 2015

Semed de Maceió lança Orientações Curriculares para a Educação InfantilA Secretaria Municipal de Educação (SEMED) de Maceió lançou, no dia 27 de outubro, as Orientações Curriculares para a Educação Infantil da Rede Municipal de Ensino de Maceió. Organizado em livro, o documento busca orientar as práticas pedagógicas nas instituições de Educação Infantil vinculadas à SEMED e tem como ponto de partida “a imagem da criança rica e potente”.

Pautadas pelas Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil (DCNEI), as orientações foram elaboradas a muitas mãos: a equipe técnica da SEMED de Maceió contou com a parceria do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), da Universidade Federal de Alagoas (UFAL) e do Instituto C&A, além de professores, gestores, especialistas e pesquisadores.

Maceió é um dos municípios integrantes do segundo ciclo (2013/2015) do projeto Paralapracá, ação que integra o programa Educação Infantil do Instituto C&A e visa contribuir para a melhoria da qualidade do atendimento às crianças na educação infantil, com vistas ao seu desenvolvimento integral. A iniciativa se desenvolve em aliança com secretarias municipais de Educação e possui dois âmbitos de atuação: a formação continuada de profissionais de educação infantil e o acesso a materiais de uso pedagógico de qualidade, tanto para crianças quanto para professores. A ONG Avante Educação e Mobilização, de Salvador (BA), atua no projeto como parceira técnica.

“Em Maceió, foi a chegada do projeto Paralapracá, em 2013, que possibilitou à rede pública de Educação Infantil a implantação de um modelo de formação e de acompanhamento de práticas que vem trazendo resultados bastante significativos”, registra a publicação recém-lançada, ao traçar a história da Educação Infantil na capital alagoana. Para reforçar a afirmativa, o documento reproduz a opinião de coordenadoras que participam das formações do projeto Paralapracá.

“Na voz das próprias coordenadoras percebe-se essa mudança na percepção de seu papel: o projeto Paralapracá provocou um impacto muito importante na Rede, na medida em que contribuiu para a definição do papel e da identidade do coordenador pedagógico nas instituições de Educação Infantil, embora muitas coordenadoras ainda estejam fazendo apenas a transposição didática da formação para seus espaços institucionais. É importante pontuar como uma contribuição importante da formação do Paralapracá, as discussões que vêm sendo realizadas sobre as crianças e suas especificidades, as brincadeiras e interações como eixos norteadores da proposta e da prática pedagógica nas instituições de educação infantil”, descreve a publicação. A citação do texto é de Lenice Lira, educadora do Centro Municipal de Educação Infantil (CMEI) Casa da Amizade.

A publicação traça um percurso histórico das concepções da Educação Infantil ao longo do tempo, apresenta os principais avanços e desafios da educação infantil em Maceió e defende uma visão de currículo ampliado. “A proposta de currículo ampliado parte de uma concepção de criança como sujeito de direitos, rica e potente, que adquire, paulatinamente, uma compreensão sobre si mesma e o mundo que a rodeia, ao interagir com as coisas e as pessoas, o que se dá, especialmente, por meio da atividade lúdica, e que constrói a cultura infantil nas interações que estabelece com outras crianças. Essa proposta de currículo ampliado baseia-se em uma concepção de aprendizagem que valoriza o que a criança faz e experimenta com as coisas e as pessoas e não fragmenta a experiência em áreas de conhecimento”, define o documento.

A estrutura desse currículo é sintetizada pela figura de uma criança que se sustenta em uma base composta por princípios estéticos, políticos e éticos. A cabeça da criança, representada por um sol, ilumina todos os outros componentes do currículo ampliado: “interações” e “brincadeiras” são o centro da proposta, que irradia para os “campos de experiências”, moldados pelas dimensões “espaço”, “tempo”, “relação adulto-criança”, “avaliação e documentação”, “relação família-comunidade” e “transição para o ensino fundamental”.

“As orientações revelam a importância que a gestão municipal tem dado à educação infantil, base estruturante do desenvolvimento das crianças. Elas reafirmam o compromisso com uma concepção de criança potente e sujeito de direitos que implica uma nova maneira de lidar com crianças e, consequentemente, com a formação dos educadores”, escreve Patrícia Lacerda, gerente da área Educação, Arte e Cultura do Instituto C&A, em uma das orelhas do livro.

 
Fonte: Site do Instituto C&A