Notícias

Pela revolução da infância – SER criança

22/03/19 13:21 - Notícias

22 de março de 2019

O final de semana em Salvador promete um olhar cuidadoso para a criança e uma discussão rica em prol da revolução que mais precisamos – a da infância. Um momento para dialogar sobre direitos e refletir sobre como a família, a escola e a comunidade/cidade podem favorecer a existência de espaços livres para a criança SER, identificando de que criança estamos falando, e como permitir sua expressão plena. Amanhã (sábado, 23/03), acontece o: I Múltiplos olhares sobre a criança hoje. O evento, que está sendo promovido pelo Portal Lunetas, de iniciativa do Instituto Alana, em parceria com o programa Criança e Consumo, conta com a participação de Maria Thereza Marcilio, presidente da Avante – Educação e Mobilização Social.

“Falar sobre essa temática hoje é muito importante para todos nós. É verdade que há uma crescente consciência sobre a importância da primeira infância e vida da criança. No entanto, na prática, essa criança tem vivido cada vez mais isolada, contida, devido a um medo generalizado, crescente e, na maioria das vezes, infundado”, disse Maria Thereza. Ela lembra que vivemos num contexto no qual as famílias estão cada vez menores, com os pais trabalhando mais, ou as crianças sendo criadas só por um dos responsáveis, pai ou mãe. As famílias extensas desaparecendo, tios, primos, avós mais distantes, dificultando o convívio, e cerceando a liberdade e o desenvolvimento da autonomia das crianças.

Quem viveu sua infância há apenas 20 anos percebe, facilmente, o crescimento acelerado das cidades, sem um pensamento voltado para as crianças e uma mudança de hábitos, talvez até de cultura da infância, em especial devido a dificuldade de locomoção no espaço, cada vez mais tomados por carros. “Quando se pensa em mobilização urbana normalmente não se pensa na criança”, disse a presidente da Avante. “Elas precisam de passeios largos para os carrinhos de bebê, ruas mais seguras, praças públicas com espaços pra brincar, mais árvores. Tudo isso é direito das crianças, mas a sociedade tende a dar mais ênfase ao direito à proteção, promovendo reclusão. E agora, com o advento das tecnologias, que vieram pra ficar, não é o caso de demonizá-las, é mais fácil deixá-las diante de uma TV, de um computador ou tablet, do que promover momentos que estimulem a interação, a participação e a autonomia. Promover mudanças nesse contexto é uma revolução que beneficia a todos. Então, é muito importante esse evento, para ajudar a colocar uma luz nisso”, provoca Maria Thereza.

Representando a Avante, Maria Thereza integrará o segundo painel do dia, que abordará a temática na perspectiva da escola. “As escolas também acabam não sendo espaços de criança, ou porque tem pouco espaço, pouca natureza ou pouca interferência delas na ordenação do espaço”, destaca. O painel terá início às 14h, prosseguindo até as 15h30, e também contará com a participação de Ekaterine Karageorgiadis, Coordenadora do programa Criança e Consumo do Instituto Alana; Sônia Dias, da escola Comunitária Luiza Mahin e Georgia Nunes, Amoras Bonecas – brinquedos afirmativos nas escolas.

O I Múltiplos olhares sobre a criança hoje tem início às 9h com o painel: Na família, do qual participarão: Alexandre Coimbra, colunista do Portal Lunetas e terapeuta familiar; o pediatra Daniel Becker; Mariana Sá, do Movimento infância livre de consumismo (MILC); e Lorena Ifé, do Afrodengo. Finalizando o dia, o painel: Na comunidade/cidade, com: Juliana Prates, do Crianças na UFBA; Rutian, da Associação Nacional de Ação Indigenista; e Rodrigo Rocha Guedes, do Centro de Apoio Operacional da Criança e do Adolescente (CAOCA).

O evento também acontecerá em Belém (PA), no dia 30 de março.