Notícias

CMEI Uruguai organiza ambiente e qualifica atendimento às crianças

20/08/19 11:54 - Notícias

20 de agosto de 2019

Ao chegar ao Centro Municipal de Educação Infantil (CMEI) Uruguai, da Rede Municipal de Educação de Salvador, nos deparamos com um ambiente acolhedor, organizado, bonito e alegre. Fomos, justamente, verificar um processo de mudança que por ali acontecia, pois a realidade nem sempre havia sido essa. As primeiras a serem escutadas foram as mais interessadas na transformação pela qual passou o CMEI durante o processo formativo mediado pelo programa Nossa Rede, no segmento da Educação Infantil – as crianças. “O que eu mais gosto lá de cima são os livrinhos, as histórias”, disse Edson Ferreira dos Santos, quatro anos, que adiantou-se à frente da turma para contar o que mais lhe agrada fazer no tempo que está na instituição.

E quem diria… “a mudança começou com um incômodo pelo receio do uso de uma escada”, nos contou Gleide Santos, diretora do CMEI. “Por conta disso, evitávamos o uso do primeiro andar do prédio pelas crianças, mas ao mesmo tempo tínhamos a percepção de que elas precisavam de espaço para brincar, que seus corpos precisavam de movimento para se desenvolver de forma plena. Os encontros formativos transformaram essa realidade!”, relata a diretora. 

Foram as reflexões coletivas sobre a prática, que tomaram como base documentos norteadores da Educação brasileira, com participação de gestores de outros CMEI, promovidas pela formação in loco, que trouxeram a solução para o impasse, ao mostrar a importância de transformar os espaços em ambientes educadores. Após meses de formação, realizada no “chão da escola” pela equipe pedagógica da Avante – Educação e Mobilização Social, foi disponibilizado um espaço no primeiro andar para implementação de um ateliê multiuso, onde as crianças passaram a ter acesso aos “cantinhos”: cantinho do jogo simbólico; cantinho do material não estruturado; cantinho da identidade; cantinho da leitura; e o cantinho da psicomotricidade. O sucesso foi tão grande que a dupla gestora (diretora e vice-diretora) decidiu usar mais uma sala, criando o Ateliê Corpo e Movimento, um espaço mais livre para brincadeiras e jogos.

Depois do espaço organizado, veio o questionamento sobre como incluir as atividades ali realizadas no planejamento pedagógico, beneficiando o desenvolvimento das crianças. Gleide Santos conta que houve um trabalho de sensibilização das professoras para que elas se apropriassem do espaço da instituição por meio da realização de dinâmicas para escuta das educadoras e reconhecimento dos ambientes. Foram realizados grupos de estudo, utilizando os materiais do programa Nossa Rede Educação Infantil, para que elas se aprofundassem no conceito de Campos de Experiência (Base Nacional Comum Curricular – BNCC) e pensassem na sua implementação no conteúdo curricular, concretizando no cotidiano do CMEI.

Ana Bárbara, professora do grupo 4, conta um pouco do processo. “Não foi só ter uma espaço a mais para as crianças, o que já é ótimo, mas trabalhamos, dentro da formação, conteúdos importantes como a espacialidade e a lateralidade. Isso, por exemplo, foi levado para as atividades diárias com os meninos e meninas e trabalhada a noção de direita e esquerda, frente e fundo, tão importe para sua idade”, disse a professora.

Ela conta, ainda, que as crianças foram envolvidas nos processos de reorganização do ambiente da instituição. Com elas, foi realizada uma atividade de reconhecimento dos espaços, a partir da proposta da realização de desenhos de mapas com detalhamento do que viram e para apresentar esses ambientes para suas convidadas, crianças do CMEI Castelo Branco, para quem fizeram uma pequena encenação “, conta Ana Bárbara.

No encontro com as crianças, mencionado no início desse texto, pudemos perceber que, sem dúvida, as pessoas mais felizes com toda a mudança são elas. Quando falamos sobre os ateliês, as crianças do Grupo 4 ficou super animado. Elas contaram sobre os brinquedos, a maquiagem, o espelho, e do quanto gostam de “subir para brincar!”. Daniela Varandas, formadora da Avante, se emociona ao falar das mudanças ocorridas no CMEI. “Ver a apropriação do material do Nossa Rede sobre os cantinhos, sobre a apropriação do espaço, é simplesmente gratificante”, disse.   O legado para o CMEI é um ambiente organizado, transformado numa peça fundamental do processo de aprendizagem das crianças.

O projeto                    

O programa Nossa Rede Educação Infantil é executado pela Avante – Educação e Mobilização Social, por meio de parceria com a Secretaria Municipal de Salvador (SMED). Entre 2014 e 2017 as duas instituições deram início à implementação de ações pela qualificação dos profissionais e melhoria do atendimento das crianças de zero a seis anos. Nesse período, foram elaborados materiais para diversos atores da Rede por meio de um processo de construção coletiva e metodologia participativa, quando foram realizadas visitas às várias instituições da Rede, análise do inventário de experiências existentes, até um amplo processo de mobilização dos profissionais e pais, a partir de rodas de conversa e estruturação de um Grupo de Trabalho e Mobilização.

Como resultado foi feita a revisão do Referencial Curricular Municipal para a Educação Infantil de Salvador e Materiais Pedagógicos pra uso dos profissionais, das crianças e das famílias (acesse os materiais AQUI), além do primeiro sistema brasileiro de monitoramento, totalmente online, para esse segmento. No final de 2018 a Avante e a SMED retomaram a parceria por meio do Nossa Rede para a realização do projeto de Formação de Formadores, voltado para coordenadores pedagógicos e gestores da Educação Infantil, técnicos da GE e da DIPE, de 393 instituições da Rede Municipal de Educação de Salvador, totalizando 786 profissionais, diretamente atendidos. Ao longo de um ano foram realizados encontros mensais para discutir Relações, espaços e tempos de qualidade na Educação Infantil e encontros para formação in loco que propõe reflexão sobre a prática “no chão da escola”.